Categoria
30 de novembro, 2021

Sobremesas: como essa doce história começou?

Tantas variedades de sabores e formatos já fazem com que a escolha de qualquer chocolate Trento seja uma sobremesa ideal.

É fato que só de pensar no wafer crocante em formato de tubo, coberto com puro chocolate e generoso recheio cremoso, já dá água na boca.

Então imagine trazer esse sabor inconfundível para deixar suas receitas ainda mais deliciosas?

Práticas ou mais incrementadas, para saborear depois de um almoço do dia a dia, no final de semana ou para aquela data especial.

Esse saboroso texto contém doses generosas sobre a história das sobremesas e vai inspirar suas receitas!

Sobremesas: como tudo começou

Vamos voltar para o século 1 antes de Cristo? É justamente desta data tão distante que vem o registro do filósofo romano Cícero, que cita ter comido “deliciosos tubinhos de massa de farinha, muito doces, recheados com leite” na Sicília. 

A descrição do filósofo lembra um dos doces mais famosos do mundo, o cannolo siciliano

Desde então, registros que ajudam a contar a história da sobremesa não pararam, já que, mesmo antes da chegada do açúcar na Europa (que só ocorreu por volta do ano 900 d.C.) um hábito comum era caramelizar amêndoas e avelãs com mel.

Mas, mesmo que os doces sempre tenham agradado os paladares de gregos e troianos, foi só nos banquetes da Idade Média que as sobremesas passaram a ser servidas depois dos pratos salgados.

Até a Renascença, inclusive, a palavra sobremesa ainda era aplicada no sentido literal, significando justamente limpar a mesa após as refeições.

A invenção das sobremesas como conhecemos hoje

A gastronomia da Idade Média é cheia de particularidades. Entre os nobres, a alimentação era uma das formas de demonstrar riqueza. Os banquetes duravam dias e eram feitos com ingredientes da mais alta qualidade.

Os pratos dos nobres, eram preparados com especiarias como açúcar, pimenta-do-reino, noz moscada, canela. Especiarias tão caras que se fazia até perfume delas.

A contratação de cozinheiros renomados entre as cortes para preparar os alimentos também era comum.

Um desses cozinheiros era François Massialot, que foi chef da família real francesa e de grandes personalidades da época como Philippe II e Duke de Orléans.

François Massialot, precursor das sobremesas
François Massialot, chef da família real francesa

O chef foi um dos inventores da sobremesa como conhecemos hoje, já que criou uma infinidade de pastas de frutas, cremes e compotas.

O hábito de servir as sobremesas após os pratos salgados

Ainda na Idade Média, os alimentos eram servidos de acordo com as crenças que se tinha sobre as propriedades terapêuticas de cada um deles. 

Sendo assim, era comum os banquetes começarem com a degustação de um caldo para aquecer o estômago e preparar a digestão. 

Depois vinham pratos mais pesados, como as carnes. Foi a partir de 1533 que fechar as refeições com uma sobremesa tornou-se hábito, assim como a participação das mulheres nos banquetes.

A protagonista dessa história é Catarina de Médicis, que naquele ano desembarcou no porto de Marselha para se casar com o futuro Rei Henrique II e introduziu os novos hábitos.

Com isso, encerrar os banquetes com sabores doces, como uma fruta ou um manjar feito com leite, açúcar e clara de ovos passou a ser uma regra de etiqueta.

Você já tinha parado para pensar que a história da sobremesa era composta de tantos capítulos?

Que tal aproveitar para dividir os fatos mais interessantes com seus convidados, enquanto vocês degustam um Trento Torta de Maçã, Torta de Limão, Mousse de Maracujá ou Cheesecake de Morango?

Voltar